O Brasil abrirá 18 usinas de etanol no Sudão e o governo de Cartum quer o País seja “a segunda China” em termos de investimentos na economia sudanesa. Pequim já investiu mais de US$ 10 bilhões no país, principalmente no setor do petróleo. O regime ditatorial sudanês enfrenta críticas e embargos internacionais pelo massacre que ocorre em Darfur e alguns de seus ministros estão sendo indiciados na Corte Penal Internacional por crimes contra a humanidade.

Mesmo assim, estão buscando novos parceiros e querem comprar tecnologia brasileira para iniciar a produção de biocombustíveis. “Temos planos de expandir a produção de açúcar e queremos a ajuda do Brasil nisso”, afirmou o vice-secretário de Relações Exteriores, Mutrif Saddig.

A primeira usina foi comprada da empresa Dedini e desembarcará no porto do Mar Vermelho do Sudão nas próximas semanas, com o valor de US$ 15 milhões. Os sudaneses, porém, querem um total de 18 usinas, todas brasileiras. “Não vamos produzir a partir de milho. Queremos a tecnologia brasileira”, disse o vice-secretário. (Fonte: Estadão Online)